Arquivo da categoria: Abre o jogo

Abre o Jogo – Viva a Polônia! Precisamos aprender com ela!

A Polônia é hoje o país que mais simboliza a resistência contra o globalismo e contra todas a formas de tirania e totalitarismo presentes no mundo! O país que mais sofreu na mão do nazismo e do comunismo aprendeu e, hoje, é um exemplo a ser seguido no mundo inteiro!

O povo polonês repudia o nazismo e o comunismo, tanto que é comum vermos imensos mosaicos em eventos esportivos sendo erguidos para protestar contra esses regimes totalitários e contra toda a forma de tirania! Dois exemplos notáveis foram as manifestações da torcida do Śląsk Wrocław, que levantou bandeira contra o Comunismo em jogo do Campeonato Polonês, há algum tempo; mais recentemente, em jogo pela fase preliminar da UEFA Champions League 2016-17, em agosto, a torcida do Légia Varsóvia, exibiu um imenso mosaico em memória as vítimas polonesas, que bravamente resistiram ao massacre nazista no que entrou para a história como Levante de Varsóvia.

mosaicocontranazismoLegia

Mosaico da torcida do Légia Varsóvia, em homenagem às vítimas do terror nazista.

O site StB no Brasil legendou um vídeo¹ feito pelo Instituo Polonês da Memória Nacional, onde há uma animação que conta, de maneira breve, a bravíssima história de resistência polonesa na Segunda Guerra Mundial e posteriormente na Guerra Fria, frente ao terror soviético. O Levante de Varsóvia é um dos eventos que ganha destaque especial no vídeo. Confiram neste link!

Não foi atoa que o melhor discurso de Donald Trump até o momento foi o realizado em Varsóvia. Não é coincidência que a Polônia seja uma das nações que mais crescem na Europa e a que não sofre com o terrorismo, visto que não tem fronteiras abertas como manda a União Europeia. A Polônia aprendeu com o seu passado, precisamos olhar para o nosso e aprender também! Por respeito àqueles que nos legaram a sociedade em que vivemos e por respeito aos outros povos que ajudaram a construir a civilização ocidental livre, da qual gozamos. Não façamos como Guga Chacra, o desinformante da Globo News que ofende a dignidade e a honra de um país inteiro e depois ainda quer pagar de vítima.

Nota¹: O vídeo do Instituto Polonês da Memória Nacional tem apenas 4min e 20 segundos.

Anúncios

Abre o Jogo – O movimento separatista catalão não é movido por um nacionalismo genuíno

O movimento separatista catalão, que está em seu mais alto êxtase nos últimos tempos, tem ganhado um espaço enorme na grande mídia. O curioso é que ele é sempre “analisado” de forma unilateral, ou seja, os catalães são os bonzinhos que só querem formar seu próprio país e o governo espanhol é o malvado e repressor, que quer mantê-los presos ao seu regime.

Vocês não acham estranho que essas informações sejam passadas de maneira tão pendente para um só lado?

bandeiracatalunhaoriginal

Bandeira oficial da Catalunha.

O que ninguém na grande mídia conta é que, esse reavivamento do nacionalismo catalão está sendo impulsionado pela extrema-esquerda. Para confirmar isso, basta uma pesquisa um pouco mais criteriosa na internet.

A começar pela bandeira catalã, que foi modificada para outras duas versões, uma com a inserção de uma estrela vermelha e outra com a inserção de um triângulo azul com uma estrela branca. Na primeira a estrela vermelha representa a internacional socialista (o PT que o diga!) e a segunda, uma homenagem à Revolução Cubana.

bandeiracatalunhanova

Bandeiras usadas pelos separatistas, onde percebe-se a estrela vermelha em algumas e a estrela branca dentro do triângulo azul em outras.

Embora exista sim uma forte questão histórica de valorização da cultura catalã no seu território, um movimento nacionalista que permite a adulteração de um símbolo nacional como a bandeira é no mínimo forjado.

O partido e o Presidente da região, Carles Puigdemont, que estão atualmente no poder da Catalunha, são de esquerda (embora a mídia dirá o contrário) e eles, junto com financiamento internacional de pessoas como o George Soros, trabalham na construção desse sentimento separatista há anos. Fatos facilmente confirmados quando lembramos que os ativistas separatistas homenagearam vários líderes mundiais de esquerda, inclusive Dilma Rousseff. Isso em 2014!

dilmacatalunha

Manifestação separatista na Catalunha, em 2014, homenageia Dilma Rousseff.

Os objetivos não estão absolutamente claros, mas alguns deles devem ser considerados. Os principais são a dissolução das soberanias nacionais (no caso, a espanhola) e a criação de um governo de extrema-esquerda plenamente capaz de dominar uma região rica e estrategicamente bem localizada na Europa Ocidental.

E quanto a repressão policial realizada pelo governo espanhol aos manifestantes? Mesmo que o plebiscito tenha sido ilegal, o ato é de condenação total pois, além das questões morais óbvias, também serviu como uma propaganda positiva à causa separatista.

O que devemos aprender nesse tipo de situação é agir sempre com prudência. Esperar e reunir o máximo de informações, das mais variadas fontes possíveis, para depois emitirmos uma opinião deve ser a conduta correta daqueles que não querem ser massa de manobra.

Quanto à Catalunha, a separação da região, neste momento, parece ser uma questão a ser analisada com muito cuidado. Todos os pontos a favor e contra devem ser pensados, tanto historicamente e culturalmente, quanto geopoliticamente. Reforço à todos o que já disse, ajam com prudência antes de tomar partido numa questão tão complexa.

Abre o Jogo – A apologia à pedofilia e à zoofilia na exposição do Santander e a abolição do homem

O Banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, via Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu que estaria exposta, até o dia 8 de outubro, no espaço Santander Cultural em Porto Alegre. Essa exposição, que segundo os organizadores visa promover a “diversidade cultural”, faz, na verdade, uma escrachada apologia à pedofilia, à zoofilia e a diversas agendas ligadas à ideologia de gênero. O fato mais repugnante é que o edital da exposição foi feito com direcionamento para as crianças, o que evidencia ainda mais a má índole do evento.

expoSantander

Quadro com desenho explícito de prática de zoofilia era uma das bizarrices exibidas na exposição do Santander.

O compromisso ideológico desses agentes revolucionários é promover uma nova forma de civilização, capaz de abolir completamente o homem daquilo que o faz humano: sua natureza, seus valores e sua capacidade de pensar livremente. O alvo principal é a educação, mais especificamente a das crianças, pois são elas as mais vulneráveis hoje, mas também as que dominarão o mundo em alguns anos, ocupando os mais importantes cargos políticos e econômicos. C. S. Lewis, em seu ensaio brilhante “A Abolição do Homem”, nos alerta da importância de manter a lei natural (aqui entendida como a moral) como princípio e norte para guiar a sociedade e livrá-la de qualquer tirania. Em uma passagem ele explica:

“Só há duas possiblidades: ou somos espíritos racionais obrigados para sempre a obedecer aos valores absolutos da lei natural, ou então não passamos de mera natureza a ser manuseada e esculpida em novas formas para o deleite dos mestres, que por sua vez serão motivados unicamente por seus impulsos “naturais”. Somente a Lei Natural é capaz de prover uma lei de ação humana comum que possa abarcar legisladores e legislados igualmente. Uma crença dogmática em valores objetivos é necessária para a própria ideia de uma regra que não seja tirânica ou de uma obediência que não seja servil.”. [1]

Lewis também alerta que, quando nos apoiamos em bases relativistas e abstemos de todos os juízos de valor, resta-nos apenas a vontade. A ausência de critérios objetivos para definir “isto é bom” faz com que o “eu quero” seja o único parâmetro existente. O ser humano se torna incapaz de usar sua própria inteligência, pois perde seus parâmetros comparativos e sua hierarquização de conceitos e virtudes. Por fim, ele se torna escravo de suas próprias vontades.

A abolição do homem é a forma mais certeira de submetê-lo à mais profunda, absoluta e inquebrável tirania. A ideologia de gênero, longe de ser um instrumento para promover agendas de ativismo homossexual, vem com um propósito muito maior: demolir a mente humana e toda a percepção da realidade, transformando as pessoas em zumbis e escravas de suas vontades. O pior, essas vontades são artificias, não sendo genuinamente vontades humanas, mas imposições realizadas por governantes que manipulam as massas e a controlam, tal como alerta José Ortega y Gasset em seu magnífico “A Rebelião das Massas” ou mesmo ilustra George Orwell, com seu Big Brother, em seu excepcional “1984”.

Enquanto essas bizarrices acontecem por todo o Brasil, pessoas que vão contra o politicamente correto, como o deputado federal Jair Bolsonaro, um ferrenho defensor de punições mais severas para estupradores, são condenados pelo STF por apologia ao estupro por dizer que a uma mulher não merecia ser estuprada após receber uma ofensa de ser estuprador. A inversão lógica desse caso é um exemplo claríssimo da abolição do homem em curso. Um perfeito caso de sucesso na imbecilização daquilo que chamamos de homem pós-moderno.

Ao mesmo passo, homens que ejaculam em mulheres no meio da rua ou em transportes públicos, como o caso da semana passada em que o meliante tinha 17 passagens pela polícia por crimes parecidos, não são punidos, pelo fato do ocorrido não ser considerado estupro, mas sim, apenas uma contravenção penal. Casos como esses jamais ocorreriam numa sociedade sadia, com o espírito público, a inteligência, a busca pela verdade, a harmonia, a cultura e a liberdade das pessoas preservados. Contudo, numa sociedade doente, já a beira da subjugação total, o resultado é o que vemos todos os dias.

OlavoDeCarvalhoPedofiliaTwitter

Olavo avisa sobre a pedofilia há algum tempo. Na foto: twitte oficial do professor em agosto deste ano.

O que tiramos de aprendizagem de todos os eventos recentes é a concretização dos incontáveis avisos feitos não só por Olavo de Carvalho, mas também por todos os pensadores e pessoas corretas que veem a realidade tal como ela é, e não através de filtros ideológicos e de pensamentos imergidos na mentalidade revolucionária. Não tardará os tempos em que, o avanço das pautas progressistas (Já se perguntaram para onde vai o progresso que os revolucionários tanto almejam?) culminarão na demolição total dos valores cristãos, com a adoção de práticas pedófilas, incestuosas, orgias e tantas outras barbáries. A Invasão Vertical dos Bárbaros segue a todo o vapor. Estejam avisados e preparados!

Veja outras imagens da exposição aqui.

Nota: A exposição foi cancelada após as reações negativas.

  1. C. S. Lewis. A Abolição do Homem. 2ª ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012. Página 69.

Abre o Jogo – A verdade sobre Charlottesville e o nazismo de “extrema-direita”

O lamentável ocorrido na pequena cidade de Charlottesville foi, e continua sendo, muito discutido e debatido pela grande mídia em geral. Como foi uma manifestação absurda, digna de um filme de terror e seguida de violentos confrontos entre grupos supostamente rivais, a busca incessante por informações tornou-se inevitável. O grande problema é que a mídia distorceu grande parte do ocorrido, criando um roteiro onde vilões e heróis foram escolhidos e definidos por ela, e pior, tentou colar em Donald Trump o rótulo de apoiador dos vilões.

charlottesville

Manifestação do grupo neonazista em Charlottesville.

Segundo a imprensa, uma manifestação de supremacistas brancos, neonazistas e membros da Ku Klux Klan, de “extrema-direita” organizaram um protesto contra a retirada de uma estátua do General Lee, líder do exército dos Confederados na Guerra Civil Americana. Posteriormente, dois grupos chamados Antifa (acrônimo para Antifacistas) e Black Lives Matter (que pregam a supremacia negra) entraram em confronto com aqueles grupos. Estes tratados apenas como grupos “anti extremistas”.

São vários pontos a serem abordados aqui. O primeiro é a afirmação manipuladora ao taxar o nazismo como um movimento de “extrema-diretia”, quando nunca o foi. Tornarei a comentar mais sobre isso a diante. O segundo ponto é a mídia, juntamente com o establishment americano, associar Trump aos nazistas e dizer levianamente que sua condenação ao ocorrido foi tolerante com esse pessoal. O terceiro ponto é o tratamento do grupo que “combateu” os supremacistas, referidos apenas como anti extremistas ou outros termos, digamos, suaves.

Todos esses pontos estão conectados, visto que há muito mais por trás do ocorrido. A primeira resposta de Trump veio como uma condenação ao ódio de forma geral, não apenas o dos nazistas. Logo foi acusado de ser complacente com esses ao nivelar todos a um mesmo patamar. Contudo, Trump sabe que o Antifa e o Black Lives Matter são grupos financiados pela Open Society de George Soros, declaradamente um agente financiador de movimentos revolucionários no mundo inteiro, objetivando o comunismo global.
PrintGeorgeSorosComunistaOpenSociety

Print da página inicial do site oficial da Open Society, de George Soros. Detalhe no quadro vermelho, onde o bilionário é descrito como um “investidor que ajuda os países a transitarem para o comunismo”.

Outro ponto que mostra a má fé da mídia é o fato de nas últimas eleições americanas, Charlottesville ter votado em peso em Hillary Clinton (17901 votos contra 2960), o que evidencia a cidade como um reduto democrata. Aliás, o atual prefeito é democrata e teve papel importante na arquitetação desse embate desastroso, como bem relatou Leandro Ruschel nesse artigo. Faz-se necessário lembrar que a Ku Klux Klan surgiu do Partido Democrata, que um de seus ex-líderes, Robert Byrd, era democrata e apoiou Hillary e que os Democratas foram os grandes defensores da escravidão durante a Guerra Civil Americana. Fatos que desmentem todas as acusações e associações mentirosas sofridas por Trump.

hillary-clinton-robert-byrd

Hillary Clinton recebe cumprimentos de Rober Byrd, ex-político democrata e ex-membro da Ku Klux Klan.

Como já dito, o Antifa e o Black Lives Matter são dois, entre os incontáveis, movimentos mundo afora, financiados pelo magnata George Soros, através de sua Open Society. Esses grupos, maliciosamente colocados para embater com os neonazistas pelo prefeito de Charlottesville, como bem esclareceu o Leandro Ruschel no artigo acima citado, agiram como falsa oposição para criarem um gigantesco espantalho capaz de ser usado para atacar Trump e toda a direita mundial ao associar, levianamente, esta a uma suposta nova onda nazista, antissemita e racista. Algo que George Soros certamente teria orgulho.

É no mínimo hipócrita tentar associar Trump, ou a direita de forma geral, ao nazismo, à Ku Klux Klan ou a qualquer tipo de grupo discriminatório quando, historicamente, todos esses grupos vieram de movimentos de esquerda ou movimentos apoiados pela esquerda. Vale citar novamente a história da Ku Klux Klan, que se confunde com a do Partido Democrata, a visão racista de Hitler, que via a raça ariana como superior ao mesmo passo que desejava (e praticava) o extermínio dos judeus e também a associação da esquerda com o islamismo ao mesmo tempo que condena Israel.

Enquanto a esquerda mundial ataca veementemente Israel e a soberania do povo hebreu, via ONU e outros órgãos supra nacionais, Donald Trump tem como principal parceiro internacional ninguém mais ninguém menos do que Benjamim Netanyahu, Primeiro-Ministro de Israel. A esquerda odeia Israel porque ela é a nação berço da moral judaico-cristã, e nela reside a força maior da civilização ocidental. É a moral judaico-cristã que possibilita a propriedade privada e a liberdade. Não o contrário, como previu Marx. Gramsci e a Escola de Frankfurt perceberam isso e mudaram o alvo da revolução do campo de batalha para a mentalidade das pessoas. Foi então que todo o embate ideológico antissemita cresceu exponencialmente após os anos 1960.

Contudo, poderíamos voltar um pouco no tempo para entender porque Hilter odiava os judeus. Numa simples pesquisa já podemos constatar que os arianos são os povos que habitam há séculos a região onde hoje é o Irã, país islâmico. Hitler viu no antissemitismo uma grande oportunidade de propagandear uma enorme conspiração judaica. Ele se reuniu com o auto-intitulado “Grande mufti de Jerusalém”, Mohammed Amin al-Husseini, trouxe a causa palestina para o Ocidente e associou-a ao anti-imperialismo inglês, tão propagandeado pela esquerda até hoje. Ao reunir o e inflar todos os sentimentos do antissemitismo, do anti-imperialismo e do anti capitalismo, Hitler associou tudo aos judeus e ao “neocolonialismo britânico”, criando grande parte do aparato ideológico que culminaria na Segunda Guerra Mundial e no holocausto.

Hitler-and-Haj-Amin-al-Husseini

Encontro entre Mohammed Amin al-Husseini e Adolf Hitler.

As entranhas do socialismo e do nazismo (ou nacional-socialismo) se confundem quando analisamos seus laços históricos de luta, sempre em prol de um antissemitismo e de um anti-imperialismo. A retórica que condena o “neocolonialismo” como uma fase final do imperialismo, este um desdobramento inevitável do capitalismo, segundo Lênin, é um ponto de intersecção que mostra a origem comum de ambas ideologias. A diferença é que o nazismo, após romper o tratado de Ribbentrop-Molotov, voltou-se contra a URSS. Aliás, o citado tratado foi firmado porque o principal inimigo do nazismo e do comunismo era o “imperialismo inglês”.

No mundo, a esquerda atual, pós-moderna, prega o politicamente correto, o “anti-imperialismo”, o multiculturalismo e a justiça social. Ainda fomenta suas bases na luta de classes, eleva diversas classes para combater outras, definidas por eles como os opressores que oprimem os oprimidos: brancos x negros, héteros x LGBTs, homens x mulheres, ricos x pobres, cristão x muçulmanos, etc. Seus maiores inimigos são Israel e a América, justamente por serem “imperialistas” e contra o multiculturalismo.

No Brasil não é diferente, por isso vemos candidatos da esquerda queimarem a bandeira de Israel, como Marcelo Freixo do PSOL e seu vereador, Lula fazer alianças com Mahmoud Ahmadinejad e defender o programa nuclear do Irã, esquerdistas pregarem ódio ao cristianismo e a Israel enquanto pregam tolerância ao islamismo e aos palestinos, entre outras barbaridades. Tudo conforme agendas que são resultado de um longo processo histórico de construção ideológico. Jair Bolsonaro, maior defensor de Israel no país e principal representante do conservadorismo aqui no Brasil, é acusado incessantemente de fascista/nazista. Uma hipocrisia de tamanho inigualável, visto que o atual deputado federal foi até mesmo batizado no Rio Jordão, quando visitou Israel. Enfim, mais uma amostra da incoerência da esquerda.

batismo-bolsonaro

Jair Bolsonaro sendo batizado nas água do rio Jordão.

Enquanto o socialismo e o nazismo pregam um combate ao capitalismo, ao livre mercado, a liberdade e a soberania do indivíduo, o direitismo prega exatamente o oposto. A única atribuição possível a uma extrema-direita seria a maximização total das ideias direitas, como capitalismo, livre mercado, liberdade e soberania individual, o que seria compatível às ideias anarcocapitalistas. E é fácil perceber, para qualquer pessoa capaz de fundamentar um mínimo raciocínio lógico na razão, que o anarcocapitalismo é o radical oposto ao socialismo e ao nazismo. Sim, a extrema-esquerda é tão socialista e/ou nazista quanto o anarcocapitalismo é um extremismo de direita.

 

Somente o conhecimento, aliado a verdade, pode construir um futuro melhor. Não se deixe manipular pela mídia. Estude!

Veja também:

Artigo no Senso Incomum: Black Lives Matter e o racismo ideológico.

Artigo do Senso Incomum: Por que a esquerda odeia Israel?

Podcast do Senso Incomum faz apanhado de toda a história do Nazismo: O Nazismo não era “de direita”.

Série de três podcasts do Senso Incomum faz apanhado de toda a história ocidental e explica porque o povo judeu é o principal inimigo da esquerda mundial: Parte 1Parte 2 Parte 3.

Livro: O Grande Culpado – O Plano de Stálin Para Começar a Segunda Guerra Mundial.

Manifestantes da antifa aplaudem discurso feito com citações de Adolf Hitler: vídeo.

Abre o Jogo – Globo mergulha de cabeça na ideologia de gênero com personagem “Trans homem gay” de A Força do Querer

A trama de Ivana (Carol Duarte), personagem da novela “A Força do Querer” da Rede Globo, entrou no clímax do conflito desenvolvido durante a história, nas últimas semanas. A personagem sempre foi retratada como alguém que tinha problemas de identificação com o próprio corpo, não se sentindo uma mulher. Nesse caminho, passou a desenvolver um sentimento de paixão para com Cláudio (Gabriel Stauffer), um amigo. Em um capítulo recente, a personagem buscou ajuda terapêutica para resolver sua situação, visto que buscava mudança no corpo, quando deparou com a seguinte explicação: “Você tem amigos que são homens e que são gays, não tem? As pessoas nascem homens ou nascem mulheres. Mas a sexualidade delas pode estar dirigida para pessoas do mesmo sexo ou para pessoas de sexo diferente. Homens e mulheres podem ser héteros ou podem ser gays!”. A seguir, a terapeuta vai além e diz: “Se você completar essa travessia, será um trans homem gay!”.

Primeiro temos uma explicação aceitável, com o binarismo que é uma ofensa para a patrulha progressista. Contudo, o problema vem no complemento. Ali percebe-se uma perversão total da realidade, quando temos uma mulher que gosta de homem, ou seja, a criação da mais antiga, simples e primordial relação da natureza, não pode mais ser entendida assim, pois, por questões ideológicas e “sentimentais” temos que revolucionar a realidade com termos modernos e politicamente corretos como “trans homem gay”. É tão difícil dizer mulher heterossexual? Para os iconoclastas do Século XXI, os mesmos que desprezam tudo o que há de bom, virtuoso e fundamental na civilização ocidental, parece que sim.

ivanaglobo

Ivana (Carol Duarte) e Cláudio (Gabriel Stauffer).

Esse é um caso emblemático pois marca de forma escancarada o compromisso da Globo em cumprir um importante papel de mudança na mentalidade das pessoas, trazendo os absurdos conceitos da ideologia de gênero às temáticas centrais das novelas e moldando os valores e julgamentos da população que, em geral, ou não está nem aí para essa problematização chata e maçante da patrulha do politicamente correta ou repudia a mesma. A cartilha da Globo sempre foi o de cumprir a agenda progressista, percebia-se isso desde antes com a introdução lenta e gradual de personagens gays, ou mesmo de adolescentes e jovens cada vez mais adeptos a uma vida sexual precoce e de múltiplos parceiros. O contrário hoje é visto como antiquado, reacionário, “paleolítico”, além de outros adjetivos usados de forma pejorativa, muito também por esse trabalho da gigante de comunicação brasileira. Isto para não citar os trabalhos em outras áreas de “problematização”, sempre buscando promover a luta de classes e a quebra de uma autoridade ordeira.

Especificamente sobre o caso de Ivana, há um ponto muito importante a ser levantado: como o compromisso ideológico da Globo é tão grande que ela (muito provavelmente) sequer cogitou pensar em um valor artístico maior para sua obra. Isso por mero cumprimento de uma agenda política. Como assim? Vou dar um exemplo. Na história de Ivana, ela tinha esse problema de identificação com o próprio corpo, mas ao mesmo tempo está descobrindo que ama um rapaz de seu círculo social. Esse sentimento é recíproco. Uma ótima sugestão para o roteiro da trama seria passar uma mensagem sobre como a personagem passaria a aceitar e gostar de seu corpo através do amor, do carinho e do reconhecimento que seu parceiro teria com ela. Uma forma de recuperar uma pessoa que sofre de problemas psicológicos sérios, chegando ao ponto de não aceitar sua própria natureza. O amor de Cláudio para com Ivana faria a mesma ver o que antes ela rejeitava de uma forma diferente. Não seria uma mensagem muito mais bonita? Infelizmente, pela cegueira ideológica, sequer foi cogitada.

ivanaafdq

É triste ver que o Brasil se tornou um país composto por uma maioria da população formada por pessoas imbecilizadas, como os incontáveis militantes de esquerda que chamam a Globo, a mesma que é a maior propagadora da agenda progressista no Brasil, de golpista. Esses imbecis negam o valor artístico puro da produção humana, colocando a ideologia acima de tudo e, quando essa ideologia é criticada, atacam em peso aqueles que denunciam seu totalitarismo ideológico. Sabemos que isso também está relacionado ao pensamento dialético da mentalidade revolucionária, mas quando a ideologia se espalha por todas as esferas de uma sociedade ao ponto de afetar profundamente até a arte, que deveria ser uma forma de eternizar os mais belos valores e sentimentos da natureza humana, o resultado é a destruição de toda a cultura e identidade do povo. As pessoas precisam entender que todas as mudanças sociais ocorrem por imposição lenta a gradual pensada por grupos de elite. A Revolução Francesa é o exemplo maior da história ocidental. E, enquanto não restaurarmos a nossa cultura e as nossas origens, o Brasil não irá melhorar.

Abre o Jogo – Donald Trump faz discurso histórico na Polônia e se estabelece como o grande líder da civilização ocidental

Donald Trump fez o mais emblemático discurso de sua ainda curta carreira política na última quinta-feira, dia 06 de julho de 2017, em Varsóvia na Polônia. Diante de uma multidão, o Presidente dos Estados Unidos da América foi enfático, preciso e conciso, diagnosticou o declínio sem precedentes da Civilização Ocidental e seus principais causadores, e ainda bradou as principais, e mais acertadas, maneiras de enfrentar o problema.

Donald Trump Polonia

Donald Trump fez discurso histórico em Varsóvia, capital da Polônia.

Não foi por acaso que o líder da América escolheu a Polônia como local para sua mensagem, visto que, talvez, nenhum povo tenha sofrido tanto com as consequências da mentalidade revolucionária como os polacos. Podemos lembrar facilmente tanto da opressão nazista quanto da tirania soviética como os mais notáveis exemplos. Apesar da história repleta de sangue dos poloneses, Trump foi enfático em exaltar aqueles que lutaram pelos valores que os definem até hoje.

Valores como a defesa da família, da honra, da lei, da fé cristã e da liberdade fazem da Polônia um exemplo a todo o ocidente, sendo um símbolo europeu quase solitário na luta contra os inimigos internos (leia-se os burocratas da ONU) e os externos (o bloco Russo-Chinês e o califado Islâmico) da Civilização Ocidental. E, como bem disse Trump, é a razão maior do triunfo polonês e de sua prosperidade atual.

PolonioforadoTerrorismoIslamico - Copia

Mapa registra localidades onde houve atentados terroristas nos últimos 10 anos. Em azul, destaque para a Polônia, país com fronteiras fortes e forte valorização de sua cultura e tradição, sem nenhum registro de ataque.

Donald Trump evidenciou que o declínio ocidental acontece devido a um inimigo não aparente “a constante sutileza da burocracia governamental que drena a vitalidade e a riqueza das pessoas”. Ao reafirmar que o establishment globalista é o maior inimigo da civilização ocidental, Trump já emenda dizendo que é papel do ocidente preservar a cultura, a fé e a tradição que formaram toda a nossa civilização, não permitindo que os inimigos internos e externos minem nossa identidade, nossa coragem e nosso espírito.

Nas palavras do Presidente dos EUA está a importância de conhecermos o nosso passado, como civilização ocidental, para construirmos melhor nosso futuro: “Nossos adversários estão condenados porque nunca nos esqueceremos de quem somos. Se não nos esquecemos de quem somos, não podemos ser conquistados… O mundo nunca conheceu nada como a nossa comunidade de nações. Nós escrevemos sinfonias, buscamos inovação, valorizamos o Estado de Direito, protegemos a liberdade de expressão, posicionamos nossas mulheres como pilares da nossa sociedade e de nosso sucesso. Colocamos a fé e a família no centro de nossas vidas, não o governo. Debatemos tudo, discutimos tudo e buscamos saber todas as coisas para que possamos nos conhecer melhor… O que herdamos de nossos antepassados nunca existiu nessa dimensão antes. E se falharmos em preservar isso, nunca mais existirá de novo.”.

Donald Trump ainda disse que a sobrevivência do Ocidente não depende apenas de poder militar ou da riqueza econômica, mas também (e principalmente) do fortalecimento de nossas famílias e de nossos valores. Também questionou: “Nossa civilização tem a disposição necessária para sobreviver? Amamos os nossos valores e confiamos neles a ponto de defendê-los a qualquer custo? Respeitamos a nossa autodeterminação a ponto de defender nossas fronteiras e nossa soberania? Temos a coragem requerida para preservar nossa civilização dos ataques empreendidos por aqueles que desejam subvertê-la e destruí-la?”. Perguntas que devem ser feitas e respostas que devem ser encontradas por cada um de nós.

DonaldTrumpPolonia

 “São as pessoas comuns, não os poderosos, que formam o alicerce da liberdade e a pedra angular de nossa defesa” – disse Trump, em relação ao ocidente.

Diferentemente do que a mídia mainstream/globalista (ou fake News) evidencia, visto que essa – alienada da realidade e muito mais preocupada em atacar o Presidente Americano – prefere destacar um suposto “vácuo” da primeira-dama no líder americano (quando na verdade é cerimonial as primeiras damas se cumprimentarem primeiro), o discurso tem importância descomunal e pode se tornar um marco na história do mundo. Por quê? Bem, ao escancarar tanto os agentes do declínio ocidental, assim como acertar na solução para este enorme problema, Donald Trump se provou o líder necessário para a reconstrução da nossa civilização e convocou cada um de nós a engrandecer e fortalecer a nossa história, a nossa tradição, a nossa fé, os nossos valores e a nossa liberdade. Que seja o marco inicial do triunfo do mundo livre contra toda forma de tirania.

Você pode ver o discurso completo de Donald Trump, em Varsóvia, clicando aqui.

Abre o Jogo – O mundo abraça a Chapecoense

O mundo foi surpreendido neste dia 29/11/2016 com a trágica notícia da queda do avião que culminou na morte de jogadores, membros da comissão técnica e outros componentes da delegação da Associação Chapecoense de Futebol. Profissionais da imprensa do rádio brasileiro, da FOX Sports Brasil e da Rede Globo, além de empregados da empresa responsável pelo voo que também estavam entre as vítimas. O clube modesto, mas extremamente sério, profissional e competente em sua gestão, chegava pela primeira vez à final da Copa Sul Americana, representando o Brasil em sua primeira final internacional. A glória máxima do alviverde catarinense enquanto instituição de futebol.

brasillutochape

Brasil amanheceu de luto após tragédia na Colômbia.

A tragédia, a maior da história do futebol mundial, foi capaz de gerar uma corrente de solidariedade como nunca se viu antes na história do futebol. Mensagem de clubes, jogadores, profissionais de imprensa e diversas pessoas e personalidade de diferentes segmentos pelo mundo, rapidamente se prestaram a deixar suas homenagens ao clube de Santa Catarina e às vítimas e seus familiares. O mais incrível de tudo foi ver a grande quantidade e a velocidade com que as pessoas e as ideias solidárias se espalharam. As camisas oficiais da Chapecoense se esgotaram em todas as principais lojas onlines do Brasil. A CONMEBOL logo suspendeu a fina da competição sul americana e os jogadores do Atlético Nacional de Medellín, adversário na final, chegaram a solicitar que a instituição organizadora do torneio declarasse a Chapecoense como campeã da competição!

chapeluto

Escudo da Chapecoense, em luto, se tornou o escudo de todos os clubes brasileiro no dia de hoje.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) logo agiu, adiando em uma semana a final da Copa do Brasil e a última rodada do Campeonato Brasileiro, decretando luto oficial de 7 dias no futebol brasileiro. O Palmeiras, atual campeão nacional, se prontificou a jogar a última partida da competição com o uniforme do alviverde de Chapecó. Clubes do Brasil e até estrangeiros, como oBenfica, se solidarizaram em emprestar atletas para a Chapecoense. Em nota, os clubes brasileiros se uniram para pedir que o time do oeste de Santa Catarina não seja rebaixado nas próximas três edições do Campeonato Brasileiro. Confira, na íntegra a nota, logo abaixo.

A corrente dos clubes brasileiros é algo notável, visto que no futebol brasileiro os dirigentes e os torcedores costumam olhar sempre para seus próprios interesses, sendo egoístas em muitas vezes. Pouco se viu um ato de nobreza e de união tão forte como o que presenciamos após essa tragédia. Um exemplo que simboliza bem essa união: todos os grandes clubes brasileiros trocaram suas fotos em redes sociais por fotos do escudo da Chapecoense em luto. O Corinthians, que habitualmente tem aversão à cor verde pela rivalidade com o Palmeiras, colocou a cor como plano de fundo do site, em homenagem ao time catarinense.

corinthainschape

Site oficial do Corinthians com a capa em verde e a tag #ForçaChape em homenagem à ACF.

O que podemos destacar de positivo em toda essa tragédia é que, apesar de vivermos num mundo onde o ódio e as guerras parecem crescer cada vez mais, enquanto o respeito, o amor, a solidariedade e a bondade parecem cada dia mais escassos, os bons ainda são maioria! Que nos sirva de consolo! Que as famílias das vítimas recebam o conforto de Deus e que a Chapecoense possa se reerguer e continuar encantando o Brasil e mundo!

Nota oficial dos dirigentes dos clubes brasileiros à CBF:

NOTA OFICIAL

Neste momento de perda e de profunda tristeza, nós, presidentes dos clubes brasileiros que publicam essa nota, gostaríamos de manifestar nossos mais sinceros sentimentos de pesar e solidariedade à Associação Chapecoense de Futebol e seus torcedores, e em especial às famílias e amigos dos atletas, comissão técnica e dirigentes envolvidos na tragédia ocorrida na madrugada desta terça-feira (29).

Mesmo cientes dos prejuízos irreparáveis provocados por este terrível acontecimento, os Clubes entendem que o momento é de união, apoio e auxílio à Chapecoense.

Neste sentido, os Clubes anunciam Medidas Solidárias à Chapecoense, que consistirão, dentre outras, em:

(i) Empréstimo gratuito de atletas para a temporada de 2017; e
(ii) Solicitação formal à Confederação Brasileira de Futebol para que a Chapecoense não fique sujeita ao rebaixamento à Série B do Campeonato Brasileiro pelas próximas 3 (três) temporadas. Caso a Chapecoense termine o campeonato entre os quatro últimos, o 16o colocado seria rebaixado.

Trata-se de gesto mínimo de solidariedade que se encontra ao nosso alcance neste momento, mas dotado do mais sincero objetivo de reconstrução desta instituição e de parte do futebol brasileiro que fora perdida hoje.

#ForçaChape” 

 

O site do UOL fez uma lista com 12 gestos nobres de solidariedade para com a Chapecoense, clique aqui para conferir.

Abre o Jogo – LeBron James, The King!

Após o título de MVP, juntamente com o título da NBA na temporada 2014-15, Stephen Curry se afirmou como um expoente do Basquete mundial. Com grandes méritos conduziu o Golden State Warriors a uma campanha arrasadora na temporada regular de 2015-16, com a incrível marca de 73 vitória e 9 derrotas, quebrando o recorde do histórico Chicago Bulls de Michael Jordan, em 1995-96, de 72 vitórias e 10 derrotas. Todos esse números e as grandes atuações chamaram os holofotes e, para muitos, Curry era indubitavelmente o melhor jogador do planeta. E quanto a LeBron James?

LeBron James ganhou o apelido de “King James” não por acaso. Um verdadeiro fenômeno desde que estreou na NBA, em 2003, é amplamente reconhecido como o melhor jogador do mundo há quase uma década! Apesar de atuar como ala, desempenha todas as funções em quadra com nível próximo da excelência. Atualmente com mais de 26.000 pontos e com um considerável tempo de carreira restante, tem tudo para se tornar um dos maiores pontuadores da história da NBA.

LeBronJames

King James, em ação pelo Cleveland Cavaliers, contra o Golden State Warriors

Pois bem, King James, estrela maior do basquete mundial, ofuscado pela brilhante temporada de Stephen Curry e do Golden State Warriors. Continuaria assim?

Quis o destino que o Golden State Warriors e Cleveland Cavaliers repetissem a final da NBA da temporada 2014-15. Era a chance de King James se redimir e trazer o primeiro título da história da NBA à sua cidade natal, Cleveland.  E não poderia ser de um jeito mais espetacular! Depois de estar perdendo a série por 3-1, os Cavaliers acordaram na série, e com atuações monstruosas de King James, viraram a final e sagraram-se campeões! Pela primeira vez na história um time virava uma série depois de sair perdendo por 3-1.

LeBronJamesFinalGame7

Com triplo-duplo no jogo 7, Lebron James foi eleito o MVP das Finais da NBA 2016.

É digno de nota as brilhante atuações de Kyrie Irving nas finais, um show a parte. Uma nota também aos outros jogadores do Cleveland Cavaliers, afinal ninguém faz nada sozinho, nem mesmo um rei. A final da NBA reafirmou o que muitos já sabiam, e alguns pareciam esquecidos: LeBron James é o rei do basquete atual. Restou ao time do Golden State Warrior, e Stephen Curry, se curvarem perante The King James, o rei que mostrou merecer todo o respeito do mundo.

Abre o Jogo – A cidadania e a fragmentação social no Brasil

Embora as últimas postagens da categoria “Abre o Jogo” tenham sido sobre futebol, ela não existe apenas para tratar sobre o mesmo, ou tampouco para falar apenas sobre esporte de uma forma geral. Aliás, se repararem bem, o primeiro post da categoria é sobre música. Quando criamos essa categoria, o objetivo era expor opiniões de forma crítica, trazendo à tona a discussão sobre algum tema, levantando novas ideias, expandindo conceitos e disseminando cultura e conhecimento. A ideia sempre foi “abrir o jogo” para que discussões e conhecimentos sejam gerados e disseminados.

Antes de partir para o tema principal quero deixar claro que este blog não tem objetivo de discutir política e posições partidárias. No entanto, observar o cotidiano, discutir, aprender e se divertir com ele sempre foi uma de nossas pautas. Com este texto quero apenas trazer uma reflexão sobre o nosso cotidiano atual e a grave crise política, moral e social que vivemos. Então, vamos lá?

O Brasil vive um momento de segregação como há muito tempo não se via. A sociedade está dividida em vários grupos que lutam por direitos e representatividades que julgam serem merecedores. Até aí tudo bem, afinal que mal há em lutar pelos seus direitos? A constituição nos dá este respaldo, então nada mais justo, certo? Mais ou menos.

O grande problema da atual luta por direitos é que ela acontece de forma totalmente desequilibrada. No cenário atual, ela gera muito mais malefícios do que benefícios. Não é por acaso que cresce cada vez mais o discurso de ódio, a intolerância, a violência, a deturpação da moral, a falsidade e a crise social como um todo. Percebem que isso não faz bem para o Brasil? Que uma sociedade fragmentada é ruim para uma nação?

Como ilustração do atual cenário (quando digo atual não é somente neste ano, mas sim nos últimos 5 anos), socialmente e moralmente em ruínas, temos a educação brasileira, comprovadamente uma das piores no mundo inteiro. Porque a educação brasileira é tão ruim? O que faz com que nossos alunos não tenham um bom desempenho e se formem com baixo conhecimento, péssimo raciocínio crítico, pouco respeito para com o próximo e uma péssima noção sobre cidadania? Investimentos péssimos em educação, professores que não são bem remunerados e, também por isso, não são engajados como deveriam, são alguns dos principais fatores. Porém, há outro que pouco se fala e é crucial: a elucidação e reafirmação contínua dos deveres do cidadão.

O grande problema de toda a luta por direitos que extrapola no nosso cotidiano e desencadeia o atual cenário brasileiro, próximo do caótico, é que as pessoas esquecem que além do direito elas também possuem deveres. Um problema que se tornou cultural, infelizmente. Hoje, os brasileiros querem batalhar por seus direitos, afinal assim eles foram ensinados. Contudo, quantos deles têm a total compreensão dos direitos do outro? Vou mais além: qual a porcentagem deles compreende e cumpre seus deveres antes de cobrar pelos seus direitos? A escola ensina isso? Os pais ensinam isso? Não tanto como deveriam. Isto porque a nossa cultura atual entende que os cidadãos têm apenas direitos. Um erro brutal que reflete a crise social que o país atravessa.

É dever do cidadão, previsto em lei, por exemplo, respeitar os direitos sociais de outras pessoas, logo quando lutamos pelos nossos direitos, não devemos nunca ultrapassar a linha tênue do direito da outra pessoa. É dever também do cidadão educar, respeitar e proteger nossos semelhantes, logo não devemos difamar, pregar discursos de ódio e muito menos qualquer tipo de violência ou enganação contra nenhuma pessoa. Quantos cumprem esses deveres primordiais? Pouquíssimos, para não dizer ninguém. Não é por acaso que vivemos esta crise social.

brasil-cidadania

Equilíbrio entre direitos e deveres: por um Brasil melhor.

Para concluir, e antes que venham dizer que estou pregando uma utopia e que na prática isso jamais será possível, tente começar fazendo a sua parte. Antes de gritar por aí seus direitos, pense bem: “Estou cumprindo meus deveres?”. A cidadania se faz por esses dois pilares, e enquanto não houver um equilíbrio entre eles, ou seja, enquanto as pessoas não pararem de lutar pelos seus direitos e negligenciarem seus próprios deveres, a crise social que está implantada dificilmente diminuirá. É preciso sim lutar pelos direitos, mas é imprescindível que cada um tenha a plena consciência também de seus deveres. Por um país melhor.

Abre o Jogo – Obrigado, Kobe!

O esporte é capaz de mover multidões, criar histórias de superação e amor eternizadas e formar ídolos e exemplos para milhões de pessoas. Lendas, mitos, ícones, gênios, heróis. Muitos podem receber tais identificações, mas poucos são grandes o suficiente para que tudo isso pareça pequeno diante de seu próprio nome. Um deles certamente é Kobe Bryant.

kobebryant

Kobe Bryant fez seu último jogo na carreira.

Kobe encerrou, às 2h00 da madrugada de 14 de abril de 2016, a sua brilhante carreira. E foi uma noite mágica! Mesmo aos 37 anos de idade e com o corpo já claramente debilitado, o astro dos Los Angeles Lakers teve atuação impecável, fez 60 pontos na vitória por 101 x 96 sobre o Utah Jazz e bateu o record de pontos de um jogador na temporada (a marca anterior era de 59 pontos de Anthony Davis)! Um final digno de cinema, um roteiro de epopeia! Uma história digna de Kobe Bryant!

Kobe, que escrevera uma carta há alguns meses declarando seu amor ao basquete e a tudo que o esporte e os fãs lhe proporcionara, mostrou, ontem, da maneira mais linda o tamanho desse amor e do respeito para com o esporte e com fãs. Tudo grandioso, tudo perfeito, tal como somente um herói poderia fazer. Nas palavras dele depois do jogo, a evidência do caráter e honra de um homem, e de um pai, que é um exemplo admirável:

– Obrigado a todos pelo carinho. Foi inesquecível. Vocês moram no fundo do meu coração. Muito obrigado por tudo o que vocês fizeram. Não só hoje como em toda a minha carreira. Um final perfeito seria com um campeonato. Mas essa noite voltando a jogar bem e proporcionando pela última vez um momento assim a todos me deixa muito feliz.O mais legal para mim foi que os meus filhos realmente me viram jogar como eu costumava jogar.

kobebryantdespedida

Festa de despedida e homenagens à Kobe Bryant após término do jogo.

Depois de tudo que Kobe fez ontem, não resta dizer mais nada. Basta fazer como o mundo fez ontem, da maneira mais simples e mais sincera possível. Só resta agradecer: Obrigado, Kobe!